Review: The Perks of Being a Wallflower

Na semana passada, acabei de ler o “The Perks of Being a Wallflower”, que é traduzido para português como “As Vantagens de Ser Invisível”. Esta semana, em vez de ver os Óscares, que continuam gravados á minha espera, estive a ver o filme, realizado pelo próprio autor do livro, Stephen Chbosky.

O LIVRO:
O livro conta a história de Charlie, através das cartas que ele envia a um desconhecido. Charlie é um adolescente norte-americano, aspirante a escritor e com alguns problemas psicológicos, que está no primeiro ano do liceu. O livro tem de tudo um pouco, drogas, sexo, violência, homossexualidade, enfim, não falta nada.
Eu esperava mais do livro, já estava na minha lista há algum tempo e não fiquei a amar o livro ou a história. Creio que aquilo que tem de bom, o tocar em todos os dramas possíveis na vida de um adolescente, também é aquilo que tem de mau, toca em demasiadas temáticas sem se dedicar a nenhuma. O melhor do livro são as referências literárias, feitas através do professor de inglês de Chrlie que lhe dá inúmeros livros para ler durante o ano.

A Wikipedia apresenta a lista completa dos livros, filmes e músicas que são referidos ao longo do livro. Gostei particularmente da lista de livros.
– To Kill a Mockingbird by Harper Lee
– This Side of Paradise by F. Scott Fitzgerald
– A Separate Peace by John Knowles
– Peter Pan by J. M. Barrie
– The Great Gatsby by F. Scott Fitzgerald
– The Catcher in the Rye by J. D. Salinger
– On the Road by Jack Kerouac
– Naked Lunch by William S. Burroughs
– Walden by Henry David Thoreau
– Hamlet by William Shakespeare
– The Stranger by Albert Camus
– The Fountainhead by Ayn Rand.

Sinopse by Wook: Charlie is a freshman. And while he’s not the biggest geek in the school, he is by no means popular. Shy, introspective, intelligent beyond his years yet socially awkward, he is a wallflower, caught between trying to live his life and trying to run from it.
Charlie is attempting to navigate his way through uncharted territory: the world of first dates and mix-tapes, family dramas and new friends; the world of sex, drugs, and The Rocky Horror Picture Show, when all one requires is that perfect song on that perfect drive to feel infinite. But Charlie can’t stay on the sideline forever. Standing on the fringes of life offers a unique perspective.
But there comes a time to see what it looks like from the dance floor. The Perks of Being a Wallflower is a deeply affecting coming-of-age story that will spirit you back to those wild and poignant roller-coaster days known as growing up.

O FILME:
O autor reestruturou todo o livro, consigo imaginá-lo a desmontar o livro em momentos e a montá-lo, como um puzzle, mas de forma completamente diferente. Não sendo a adaptação mais fiel do mundo, foi uma boa adaptação que não desvirtuou o livro. Por um lado, acabei por gostar mais da versão do filme que do livro, por outro lado, se não tivesse lido o livro não tinha achado grande piada ao filme.

Conclusão: Não recomendo nem um nem outro, o melhor dos dois é a lista de livros e umas quantas frases/passagens do livro. As minhas preferidas:
“we accept the love we think we deserve.”
“And in that moment, I swear we were infinite.”
“I am very interested and fascinated how everyone loves each other, but no one really likes each other.”
“Things change. And friends leave. Life doesn’t stop for anybody.”
“I am both happy and sad at the same time, and I’m still trying to figure out how that could be.”
“… Try to be a filter, not a sponge.”

And the winner is…

BEST PICTURE
Amour
Argo – WINNER
Beasts of the Southern Wild
Django Unchained
Les Miserables
Life of Pi
Lincoln
Silver Linings Playbook
Zero Dark Thirty

BEST ACTOR
Bradley Cooper, Silver Linings Playbook
Daniel Day-Lewis, Lincoln – WINNER
Hugh Jackman, Les Miserables
Joaquin Phoenix, The Master
Denzel Washington, Flight

BEST ACTRESS
Jessica Chastain, Zero Dark Thirty
Jennifer Lawrence, Silver Linings Playbook – WINNER
Emmanuelle Riva, Amour
Naomi Watts, The Impossible
Quvenzhané Wallis, Beasts of the Southern Wild

BEST SUPPORTING ACTOR
Alan Arkin, Argo
Robert De Niro, Silver Linings Playbook
Philip Seymour Hoffman, The Master
Tommy Lee Jones, Lincoln
Christoph Waltz, Django Unchained – WINNER

BEST SUPPORTING ACTRESS
Amy Adams, The Master
Sally Field, Lincoln
Anne Hathaway, Les Miserables – WINNER
Helen Hunt, The Sessions
Jacki Weaver, Silver Linings Playbook

BEST DIRECTOR
Michael Haneke, Amour
Ang Lee, Life of Pi – WINNER
David O. Russell, Silver Linings Playbook
Steven Spielberg, Lincoln
Benh Zeitlin, Beasts of the Southern Wild

BEST ORIGINAL SCREENPLAY
Wes Anderson and Roman Coppola, Moonrise Kingdom
Mark Boal, Zero Dark Thirty
John Gatins, Flight
Michael Haneke, Amour
Quentin Tarantino, Django Unchained – WINNER

BEST ADAPTED SCREENPLAY
Lucy Alibar and Benh Zeitlin, Beasts of the Southern Wild
Tony Kushner, Lincoln
David Magee, Life of Pi
David O. Russell, Silver Linings Playbook
Chris Terrio, Argo – WINNER

BEST ANIMATED FEATURE FILM
Brave – WINNER
Frankenweenie
ParaNorman
The Pirates! Band of Misfits
Wreck-It Ralph

BEST FOREIGN FILM
Amour, Austria – WINNER
Kon-Tiki, Norway
No, Chile
A Royal Affair, Denmark
War Witch, Canada

BEST ORIGINAL SONG
“Before My Time” from Chasing Ice, Music and Lyric by J. Ralph
“Everybody Needs A Best Friend” from Ted, Music by Walter Murphy; Lyric by Seth MacFarlane
“Pi’s Lullaby” from Life of Pi, Music by Mychael Danna; Lyric by Bombay Jayashri
“Skyfall” from Skyfall, Music and Lyric by Adele Adkins and Paul Epworth – WINNER
“Suddenly” from Les Misérables, Music by Claude-Michel Schönberg; Lyric by Herbert Kretzmer and Alain Boublil

BEST ANIMATED SHORT FILM
Adam and Dog, Minkyu Lee
Fresh Guacamole, PES
Head over Heels, Timothy Reckart and Fodhla Cronin O’Reilly
Maggie Simpson in The Longest Daycare, David Silverman
Paperman, John Kahrs – WINNER

Review: Zero Dark Thirty

Não era bem o que eu estava à espera, em todos os sentidos. Primeiro, estava à espera de um filme de acção, mas não é. Depois, na minha cabeça, os EUA tinha feito tudo e de tudo para capturar o Bin Laden, mas o filme transparece outra coisa, passa a ideia que a descoberta e captura do Bin Laden resultou mais da determinação de uma mulher.

Enfim… junto-o ao saco do “a sério? Nomeado para os Óscares?”.

O melhor do filme é mesmo a Jessica Chastain. Sabe bem ver uma mulher de poder, a tomar a liderança num mundo de homens.

Conclusão: Vale a pena ver. Não só por ser um dos nomeados, não só por ter a Jessica Chastain, mas também porque, a ser verdade, é uma página da história dos EUA que nos marcou a todos.

O desafio

Maltinha, a Pipoca mais doce já pôs a poll para o próximo livro. Eu já votei no 1984, de George Orwell.
Cheguei à conclusão que só vou aderir quando “ganhar” um livro que eu quero mesmo ler, se não salto a vez e dedico-me a um dos muitos que estão na lista de espera.
Como tal, se ganhar o 1984, participo, senão vou dedicar-me ao Crime e Castigo, sem distracções.

Review: Django Unchained

Nem me vou dar ao trabalho de vos contar a história. Vejam! É um filme de Tarantino, a banda sonora é spot on, o casting é perfeito (o Samuel L. Jackson só se reconhece pela voz), tem humor e história é original. Precisam de mais????

Foi o segundo nomeado ao Óscars que vi e até agora, não há margem para dúvidas. Pode não ser um filme grandioso, mas é um excelente filme e há imenso tempo que eu não via um excelente filme.

Two down, seven to go.

Conclusão: Cinema, já!

 

 

Viram o Kill Bill? e o Inglourious Bastards? Gostaram?

O desafio da Pipoca Mais Doce

Não sei se já tiveram conhecimento do desafio de leitura que A Pipoca Mais Doce lançou. Basicamente, consiste em ler um livro por mês e depois trocar opiniões.
Adorei a iniciativa e tenho imensa pena de não estar a acompanhar o primeiro livro, que é o famoso Anna Karenina, e que eu quero imenso ler, mas optei por acabar os livros que estou a ler e esforçar-me por apanhar o próximo.

Entretanto, a Pipoca publicou um post sobre ler, com o qual eu me identifiquei imenso. Estou longe de me considerar uma leitora assídua, e acho que podia ler mais, mas como já disse aqui, não há tempo para tudo.

Infelizmente, não há tempo para ler todos os livros que gostava (acreditem que a minha lista é enorme e real, ela existe num ficheiro de Excel, guardado numa pen que anda comigo para todo o lado), tal como não há tempo para estar, tantas vezes como gostava, com os meus sobrinhos, com as minhas amigas, com os meus pais e com os meus irmãos, tal como não há tempo para ver todos os filmes que gostava. O tempo é um recurso escasso e ainda bem que assim é, é sinal que temos uma vida cheia.

Não obstante, ler é uma das coisas que eu mais gosto de fazer nos meus tempos livres e, tal como a Pipoca, é algo que já vem de criança e que me foi passado pelos meus pais e tios. Poucas coisas se comparam a um bom livro. Um bom livro agarra-nos à sua história e às suas personagens. As personagens de um bom livro nunca morrem, vão acompanhar-nos sempre como se fossem velhos amigos. Um bom livro frequenta os nossos sonhos como se fossem a continuação de uma história. Um bom livro termina, sempre, cedo demais.

Não há bons livros universais, por muitas listas que se façam, um bom livro para mim não é, necessáriamente, um bom livro para as minhas amigas, para o meu vizinho da frente ou para a minha mãe. Eu gosto de policiais e de clássicos, o que não significa que não leia outros “estilos”, mas estes são os meus preferidos, por mais aventuras que faça, é a eles que eu volto.

Resumindo, leiam o Post da Pipoca e participem no próximo desafio, isto se não forem a tempo de ler o Anna Karenina até meados de Fevereiro. Eu vou esforçar-me (muito) para acabar de ler o meu policial e o meu clássico, que estão a meio, antes do próximo livro.

Review: Life of Pi (o filme)

Pois bem, o primeiro filme que vi da lista de 9 nomeados aos Óscares foi mesmo o “A Vida de Pi”, muito provávelmente motivada por ter acabado de ler o livro.
O filme muda imensa coisa! Como a história está bastante presente na minha memória detectei inúmeros pormenores e episódios que não existem no livro. Identifiquei tantas diferenças que começo a desconfiar que devo ter adormecido em algumas partes do livro. Por exemplo, a cena do desafio do irmão para entrar na Igreja e a cena seguinte em que o Padre lhe oferece um copo de água. No livro nada disto acontece, ele entra na Igreja apenas por curiosidade.
Diferenças à parte, o filme manteve a opinião do livro, é bom, mas tem partes morosas. Ora vejam este super gráfico que encontrei quando estava à procura do poster do filme:

Conclusão: Vale a pena ver pelas imagens e pela história, mas não entrem no cinema à espera de encontrar um filme de nos prender ao ecrãn.

Review: Life of Pi (book)

image

Este livro foi me atirado para as minhas mãos por uma amiga. Já o andava a namorar há algum tempo, mas ficava sempre trás. Talvez tenha sido a promessa de um filme que me fez finalmente pegar nele.

Não posso dizer que tenha ficado encantada ou maravilhada pela história de Pi, mas é um livro original, diferente do que tenho lido e soube bem variar. A Vida de Pi é daqueles livros impossíveis de não gostar, tem um bom final que quase (reforço o quase) nos faz esquecer as partes menos emocionantes.

Sinopse (Wook): Quando Pi tem dezasseis anos, a família decide emigrar para a América do Norte num navio cargueiro juntamente com os habitantes do zoo. Porém, o navio afunda-se logo nos primeiros dias de viagem. Pi vê-se na imensidão do Pacífico a bordo de um salva-vidas acompanhado de uma hiena, um orangotango, uma zebra ferida e um tigre de Bengala. Em breve restarão apenas Pi e o tigre.

O próximo passo é ir ao cinema ver o filme. 😉

Qual o melhor livro que leram em 2012?

De todos os livros que leram em 2012, qual foi o vosso preferido?

O Buzzfeed fez esta pergunta a umas 20 pessoas e compilou as resposta numa lista bem diversificada.

De todos os que constam da lista, apenas um faz parte da minha lista de livros a ler, o “A Visit from the Goon Squad” (em português, A Visita do Brutamontes) de Jennifer Egan, que ganhou o 2010 National Book Critics Circle Award e o 2011 Pulitzer Prize, na categoria de ficção.

Se me perguntarem qual o livro que gostei mais de ler este ano, respondo sem qualquer hesitação o “To Kill a Mockingbird”, da Harper Lee. Sem dúvida dos melhores livros que li nos últimos anos.

Fico à espera das vossas respostas, estou a precisar de inspiração para escolher o próximo.